sexta-feira, 26 de agosto de 2016

realização

Sim.
Estou no caminho certo. Agora eu sei.
Quando comecei a escrever neste espaço - no já longínquo ano 2009 - estava cheia de dúvidas, incertezas, conflitos e confusões, eu tinha 22 anos e não sabia nada do que queria da vida...
Hoje não mais.
Aos 29 anos e 29 dias, acordei com a certeza que este é o caminho que eu quero seguir, que esta é a vida que eu sempre quis.

Primeiramente, #foraTemer

Não tenho filhos. Não tenho que me preocupar em alimentar, vestir, educar, cuidar, criar outro ser humano, além de mim mesma. Tenho consciência de que sou livre. Sou dona absoluta de mim. Sou completamente livre para ir e vir, sem me preocupar em estabelecer horários para amamentar. Sou tão livre que se eu morrer hoje não deixarei rastros (nem filhos, nem posses, nenhum tipo de herança genética ou financeira). Ninguém dependerá de mim para viver. Ninguém achará que a vida é insuportável se isso acontecer. Sou tão livre que posso pensar em viajar para qualquer lugar do mundo sem me preocupar se farei falta para outro alguém, sem me preocupar em sustentar outra pessoa, sem de nenhuma forma me preocupar. Eu simplesmente irei, com saudades, é verdade, mas sem nenhum tipo de remorso ou culpa.

Além disso, tenho o emprego que eu sempre almejei.
Sou completamente realizada com o exercício da docência. Não trabalho em hospital, não trabalho em canteiro de obras, nem em escritórios fechados e hostis.
Meus olhos se enchem de lágrimas ao pensar que estou contribuindo com a formação acadêmica e pessoal dos meus alunos, passando valores que os melhores professores que eu tive me passaram... Não gostaria de fazer outra coisa na vida que não fosse ensinar. Que bom que eu não me rendi ao status social dominante para fazer Direito.

Sou grata à Educação Física por me salvar de ter uma vida enfadonha, monocíclica e por vezes, estressante. Não quero dizer com isso que ser professora de Educação Física não me deixe estressada em alguns momentos. Mas de fato, essa profissão é extasiante, é dinâmica, é emocionante e eu não a trocaria por nenhum - eu disse nenhum - dinheiro do mundo. Até porque a sociedade que eu vislumbro não está focada em quanto você ganha por ano, mas sim, no quanto de felicidade que a sua profissão proporciona a você e a outras pessoas neste período. Mas, se você acredita que o mais importante é o dinheiro, fica tranquilo, eu não vou te julgar, até porque eu amo receber dinheiro, e penso, inclusive, que eu deveria ganhar mais na minha profissão. Entretanto, não é isso o que me move, não é isso que me faz acordar de manhã com as esperanças renovadas e... nenhum dinheiro do mundo vale mais que chegar em casa do trabalho - cansada, porém realizada - e ler uma mensagem de uma aluna, agradecendo pela aula daquele dia.

Não tenho nenhum tipo de inveja de qualquer mulher casada, mãe e com a vida perfeita, com carro, casa e closet separado para roupas e sapatos... Vocês, minhas queridas, podem - e devem - ser felizes e realizadas com a perfeição que vivem, e eu fico feliz que vocês vivam assim, porque é a vida que escolheram. Mas não é, pelo menos, neste momento, o que quero para mim.

Gosto da minha liberdade, da minha vida agitada, de pegar a estrada toda semana. Gosto de só me preocupar em pedalar e não em dirigir, apesar de começar a sentir falta da carteira de habilitação. Gosto da minha bagunça de roupas e sapatos, embora meus livros estejam sempre muito bem organizados. Gosto de não ter filhos, eu já disse isso, mas adoro reforçar. Gosto de ter o nome que os meus pais me deram e não o sobrenome de outra pessoa, indicando que sou casada, apesar de às vezes querer usar uma aliança no dedo anelar esquerdo, só pra indicar que apesar de não ser casada, também não sou solteira, Gosto de ser quem sou, gosto que me chamem de professora, gosto que me questionem, que me confrontem, mas que me respeitem, como respeito - gentileza gera gentileza - gosto de não seguir nenhuma religião, gosto de tudo que eu sou e de tudo o que me tornei. Enfim, gosto do que estou vivendo, me sinto completamente realizada e embora ainda queira, para um futuro não muito distante, ter um cantinho para criar raízes, este momento eu não trocaria por nada.

Gratidão à vida, aos deuses, ao universo, à minha loucura. 

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Parte III

Ana caminhava lentamente pelas ruas movimentas daquela grande cidade. Enquanto os carros apressados passavam por ela, deixando um rastro de poeira no ar, Ana simplesmente estava absorta em seus pensamentos, organizando e planejando mentalmente todas as coisas que ainda precisava realizar naquele dia, e entre tantas tarefas e compromissos, por alguns instantes, desejou estar em outro lugar, estar realizando outras tarefas... e, de preferência ao lado daquele moço de olhos claros e sorriso largo. Então, ela se deu conta de que aquela não era a vida que esperava há cinco anos...

Do outro lado do oceano, em outro continente, aquele moço de sorriso fácil, deitado em sua confortável cama, sentia-se o cara mais realizado do mundo. Tinha tudo o que queria. Não precisava se preocupar com nada, nenhum problema o incomodava. Mesmo assim, de vez em quando, se pegava pensando em Ana e no quanto ainda desejava encontrá-la novamente. Sentia uma pontada de revolta ao lembrar do quão egoísta fora por não insistir para que ela ficasse. Mas, se deu conta de que Ana era do mundo. Do mundo dela. E ele, mesmo com aquele sorriso largo, e seus brilhantes olhos claros, jamais a convenceria do contrário, caso ela não quisesse. Se imaginou casado com Ana, num lugar calmo e sereno como o olhar dela. De todas as moças com quem ele se relacionou na vida - e não foram poucas - somente Ana conseguiu chegar às profundezas de sua alma. No dia em que se conheceram, no voo rumo à terra dele, ela simplesmente o fizera se sentir o cara mais incrível, que ele não era. E depois, tudo o que viveram juntos por quase dois anos, foi tão maravilhoso... O que o fez perdê-la? É como se ela tivesse evaporado junto com o orvalho daquela manhã, mais quente que o normal para esta época do ano. Num rompante de realidade e fantasia decidiu abdicar de todo aquele conforto. Estava obstinado a encontra-la. Mas, pode onde começar? Por alguns instantes se convenceu de que ela era a missão da sua vida. Então virou-se para o lado oposto da cama e dormiu profundamente.

fórmula da vida

. Já disse: não sou só.
Sim, eu reconheço o princípio da individualidade. Mas, esse é só um detalhe.
O principal é que eu sou um resultado, uma junção de variedades. E a primeira dentre todas essas variáveis é ser filha de quem eu sou:
tenho os olhos do meu pai, o mesmo gênio dele, a mesma ansiedade e preocupação.
Mas é nela em quem me espelho. Ela é tudo o que eu almejo, e sei que jamais conseguirei alcançar porque ela, para mim, é sinônimo de perfeição.
Então a minha busca é continua...
Ela tem uma serenidade no olhar tão profunda que acalma minha alma, mesmo nos dias mais estressantes e confusos.
Tem um jeito todo especial de me chamar a atenção.
Ela conhece cada cantinho da casa e do meu coração.
E eu, que tenho muito mais características físicas e psicológicas do meu pai, confesso abestalhada que a minha mãe é a minha grande e inalcançável inspiração.
Sou o resultado da criação deles. Mas acima de tudo, sou a procura pela calmaria dela...

quarta-feira, 11 de maio de 2016

qual o projeto para amanhã?

Entre os estudos de Inglês e Espanhol, leitura de livros e artigos científicos, planejamento de aulas e acompanhamento da atual conjuntura política do país, emerge das profundezas do livro que estou lendo a seguinte reflexão: "Tanto quanto o ar e os alimentos são imprescindíveis para a manutenção da vida em sentido biológico, os projetos o são para a existência de uma vida plena, em sentido humano. Continuamente, os projetos nos alimentam, nos impulsionam para a frente, nos mantêm vivos. As utopias constituem inspirações para projetos, contribuindo para uma articulação fecunda entre aspirações individuais e coletivas". (Nílson José machado - Cidadania e Educação - 2002).
Falar em projetos como o autor citado acima fez me provocou uma ânsia de amanhã, ânsia de mudança, ânsia de resgate daquela jovem que saiu do interior, viveu na capital e agora retorna ao interior pra tentar conseguir mais do que capital financeiro. Penso em tudo que me trouxe até aqui e quais são os projetos para o futuro? Me parece que mesmo com todas as dificuldades em torno da realidade cotidiana que alimentar o corpo é menos difícil que alimentar a alma. Então, escuto uma música que me toca o coração só pra tentar me reinventar enquanto humana utópica. Em essência é a utopia de um mundo melhor que me faz acordar com esperança e ter dificuldade em dormir porque ainda falta muita coisa para conquistar, melhorar, enfrentar...
E amanhã? Qual é o projeto que nos mobilizará? O que nos vai impulsionar?
estou acompanhando as notícias pela tv, pelas redes sociais e coloquei a música para repetir. A lição de inglês e espanhol eu já conclui. Mas e os projetos para o futuro, como eles ficaram? Como ficarão? Tenho que alinhavá-los, confeccioná-los. Mas eu não estou solta no mundo, não sou uma ilha deserta. Se você estiver comigo então os projetos podem se fortalecer. Mas eu, sozinha, só sei sobreviver.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

andarilha

...hoje é sobre mim:
nasci no interior da Bahia. Morei na capital do Espírito Santo e atualmente exerço minha profissão de volta ao interior (de Minas Gerais).
As madrugadas que outrora eram preenchidas de um sono profundo - quase como num conto de fadas - têm sido mais claras que os dias mais ensolarados do verão passado.
Leio um capítulo de um bom livro, mas não consigo me concentrar. Deito. Fecho os olhos. Me aqueço. Mas nada disso adianta.
A mente permanece ligada, eletrizada, incendiada de questões: estou cumprindo o meu papel? como posso ser melhor? é uma agonia que só!
Então vem à tona a vontade de voltar, de largar tudo, de me anular.
E em seguida a consciência de que é preciso seguir, de que se eu vim até aqui não adianta mais olhar pra trás, tenho que ir até o fim. Já cantou HG.
É... eu avisei que hoje eu iria falar de mim. Se quiser, pode ir. Não se preocupe: não vou guardar mágoa, nem sei mais se eu sinto a sua falta. Meu destino é andar. Odeio correntes e limitações. O céu é o limite?
Corre sangue baiano nessas veias, embora eu não goste de acarajé, nem de pimenta, nem de farinha, nem de axé, nem da capital do meu estado...
Passar quase três anos na capital capixaba me fez mudar mais do que eu poderia supor, o casco endureceu e amoleceu e ficou nesse efeito sanfona por um bom tempo. Mas as raízes permaneceram - ou será que algo escapou e eu não me dei conta?
E durante esses quatro meses em que estou no interior mineiro me vi do avesso com tanto aconchego. Por isso a vontade de melhorar, de superar obstáculos, de amparar... Como toda boa mãe faz. Mas que engraçado, eu não sou nada: não passo de uma professora que se questiona, que repensa sua prática docente, que ama a docência e então eu percebo que por mais que eu creia, isso não é sobre mim.
Não é por mim, no final das contas. É por eles. percorrer o mundo me faz ser melhor por eles, para eles e com eles.
Mas ainda tenho tanto que caminhar... a jornada é lenta e cada dia é um caminho diferente, embora eu pense que sempre irá voltar pro mesmo lugar.
Eu, e minha sina: ser uma andarilha, pequena abelha polinizadora de sonhos.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

depois de ontem


Hoje é resultado de ontem que trará consequências para o amanhã e provavelmente nem eu nem você estarems aqui para ver. Mas, refletindo sobre o que aconteceu ontem, chego à conclusão de que estou com medo não só desse futuro incerto no qual podem ressurgir sombras do passado perseguindo e matando a verdade.
Especialmente hoje o meu medo é desse momento atual, do tanto de gente que aplaudiu o discurso de Jair Bolsonaro ontem durante o processo de votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Queria simplesmente não ter conhecimento, queria beber da água da ignorância, estar à margem de tudo isso, não me importar, queria não saber que a Ditadura Militar foi um dos piores (senão o pior) momentos que o Brasil vivenciou, só pra não ligar para o que aconteceu. Vejo pessoas retomando a vida num boa, tranquilas, como se nada as atingisse. Tenho inveja delas: hoje eu quase não consegui viver, me sentia desolada, parecia que estava de luto. E estou. Por todos que sofreram e lutaram e morreram durante a Ditadura Militar, estou de luto, porque ontem, aquele infeliz, canalha foi aclamado, aplaudido e ovacionado com seu discurso homenageando os militares de 1964, e em especial a um torturador da Ditadura. Meu Deus! Ainda não acredito que vi/ouvi isso! estou perplexa como um cara desse ainda tem apoio do povo? Não. Eu não quero viver para reviver os horrores da Ditadura Militar. Não, eu não quero viver num país em que muitas pessoas apoiam esse crápula. Não. Meu voto é não! E não venham pra cá com 'discursinhos' de falsa moral. Eu quero que esse Deus de vocês esteja muito, muito, mas muito longe de mim, porque eu O odeio e odeio também todos aqueles apoiam torturadores, que agem como torturadores, que votam em torturadores. Aonde Jair Bolsonaro e sua corja estiver, eu estarei do lado oposto! E como eu vi numa imagem qualquer com ao foto do Marighella do lado: "A única luta que se perde é aquela que se abandona". Então, foices e martelos na mão, vamos à luta!






terça-feira, 12 de abril de 2016

Parte II

Os primeiros raios solares apareciam timidamente indicando o início da manhã.
Ana abriu os olhos e imediatamente se deu conta da claridade matinal, sentindo uma pontada de saudade do escuro da noite que passara. Agora era hora de voltar à vida real.
Vagarosamente olhou para o lado e sentiu um calafrio percorrer-lhe todo o corpo: a noite anterior, ao lado daquele moço de olhos claros e sorriso largo que conhecera no voo da sua primeira vagem internacional, tinha sido uma das melhores que conseguia se lembrar durante essas três décadas vividas. Ela notou que ele parecia tão confortável ao seu lado e continuava iluminando tudo ao seu redor, mesmo com os olhos fechados e o sorriso desfeito. Mas, por alguns instantes, admirando-o dormir Ana percebeu um singelo sorriso no canto dos lábios daquele moço. Nem dormindo ele deixava de sorrir-lhe.
Vagarosamente Ana levantou-se tentando fazer o menor ruído possível, sem tirar os olhos dele. Seu pensamento vagava, mal poderia acreditar que havia se passado dois anos desde que eles se conheceram naquele avião. Mas ela precisava seguir sua viagem de volta. E ele, infelizmente, não caberia na sua bagagem. Um lágrima desceu sob sua face enquanto ela trocava de roupa e mais outra quando ela olhou o relógio se dando conta de que não poderia ficar ali nem mais um minuto.
Ana quis se despedir, afinal, não saberia quando iria encontrar de novo aquele moço de olhos claros e sorriso largo. Mas corria o risco de perder o horário caso o acordasse para as formais despedidas, que poderiam acabar não sendo tão formais assim. Ela decidiu sair de uma vez.
Antes de bater a porta, ao invés de dizer adeus, ela disse apenas:
- Até mais.
E pensou: "que possamos um dia nos ver de novo, meu moço".
Como saiu às pressas não conseguiu ouvir o que ele respondeu, mesmo sonolento:
- Ainda vamos nos encontrar de novo, minha moça".
Então ele fechou os olhos.

E dormiu.


Fim.